sexta-feira, 17 de julho de 2009

indignação pessoal 2.

Hoje foi o cúmulo do absurdo. Tudo bem, eu já aceitei que esse mundo tá maluco, mas pera lá. Tudo tem um limite.
Estava eu, realizando o meu ritual diário como uma boa cidadã da sociedade pós-moderna ocidental de engolir o almoço enquanto assisto às mais incríveis baboseiras que o nosso aparelho televisivo nos é capaz de proporcionar. Na TV, passava o Jornal Hoje - aquele da Globo com aquele apresentador jovem e descolado -, quando de repente, surge na tela o resultado de uma enquete realizada no sítio do jornal sobre a positividade ou não do "toque de recolher" para menores: fui surpreendida com nada mais nada menos que 81% dos internautas A FAVOR do TOQUE DE RECOLHER PARA MENORES (!!!) Oi? Isso mesmo 81%. Quase morro engasgada.
Quando tudo isso começou, eu imaginava que tudo não passaria de um devaneio totalitário maluco de uma juíza interiorana que nada sabe de educação de adolescentes e que toda a sociedade brasileira responderia com cinquenta e sete (no mínimo!) pedras à mão a tal desparate. Mas aconteceu o contrário, a juíza recebeu aplausos e, pior, seguidores! Cada dia que passa, mais cidades adotam o tal toque de recolher. E o que mais me deixa pasma é a normalidade como é tratada a questão.
O que estamos vivenciando são pais e adultos desesperados à beira da irracionalidade. Quer seja o pai que não consegue manter o filho dentro de casa, quer seja o cidadão transeunte que morre de medo desses meninos na rua, ou o juíz que tem de resolver os tumultos que eles causam. O fato de essas situações acontecerem com tanta frenquência e naturalidade a ponto de se pensar que a melhor saída é manter os adolescentes em prisão domiciliar, só comprova uma extrema incompetência da sociedade, do Estado, e dos pais na educação brasileira. Pode-se culpar meio mundo por isso, menos as próprias vítimas.
Parafraseando o nosso novo presidente do Conselho de Ética do Senado, Paulo Duque (PMDB), eu fico impressionada como "a opinião pública é volúvel". Por vezes opta por defender os "tadinhos" dos adolescentes, outras os condena. Como pode a mesma sociedade que há meses atrás estava em peso no discurso a favor da maioridade penal cair para os 16 anos, estar agora a favor que estes mesmos "adultos" sejam tratados como crianças tão vulneráveis? Para nós, "pensadores sempre corretos" da classe média, tudo depende. De qual criança estamos falando? De onde vem? Onde mora?
Não quero entrar em questões mais profundas e complexas, o que me traz aqui é a simples indignação contra uma ação pontual: o veto do direito de ir e vir dos cidadãos que possuem menos de 18 anos. Sim, porque é isto o que o é: violação de um direito básico do ser humano de acordo com os parâmetros modernos.
O curioso é que enquanto nas favelas das grandes cidades brasileiras se impõe e se sofre com o toque de recolher extra-oficial acarretado da violência urbana e imposto pelo poder do tráfico, as cidades do interior que ainda podem respirar aliviadas à noite, propõem por livre e espontânea vontade o seu próprio toque de recolher, olha só! :) (que loucura! parece até que é inveja).
E mesmo que essa fosse a solução para menores infratores ou menores "expostos a situações de risco" - como bem defendem -, na confusão, esquece-se dos jovens espertinhos, sensatos e bem-alimentados, de pais conscientes que deram muito amor e carinho na infância e que confiam plenamente em seus filhos. EU por exemplo! xD. (Eu nem consigo imaginar como a minha vida seria se houvesse esse toque de recolher em Salvador (deusémais) durante as minhas descobertas da adolescência. oO.) ;P
Essa justiça é mesmo muito esperta não é mesmo? Não consegue educar, então prende! É mais fácil rápido e eficiente, pelo menos por enquanto... Eu só quero ver quando esses meninos puderem sair de casa... a merda que não vai ser. Afinal, um dia eles terão que sair! Isso é o que as pessoas do nosso tempo não estão compreendendo, com essa idéia absolutamente deturpada de proteção. Deixa eu só dizer uma verdade. dura. mas a vida é assim mesmo: SEUS FILHOS SAIRÃO À NOITE, SAIRÃO DO ALPHAVILLE, SERÃO ASSALTADOS, SOFRERÃO POR AMOR, FARÃO SEXO... ééé... acreditem...
Bom, como eu acho meio difícil fazer com o que pais esqueçam toda essa carga ideológica de uma hora pra outra, vamos lá: Jovens do meu Brasil, uni-vos! Lutemos pelo direito básico de ir vir e contra toda a tirania desesperada de uma geração enferma!

7 comentários:

Ana Luiza Romano disse...

Bom, eu concordo com vc em relação ao fato de que quando estes jovens sairem "a merda que vai ser". O problema é bem mais no fundo. Não é com medidas toscas e superficiais que o problema será resolvido. Isso é apenas empurrar a sujeira para dentro do tapete.
Mas visto por outro ângulo, se analisarmos este fato isolado, o que a tal juiza poderia fazer? Se realmente há (e eu acredito que há) pessoas influentes envolvidas nessas violências contra os menores, ela (a juiza) seria apenas uma contra uma rede de falcatruas, de impedimentos, de interesses políticos ou econômicos... Talvez ela seja covarde, talvez tenha muito a perder, talvez não seja nada disso que eu disse. Eis que ficamos na especulação.

Samory Santos disse...

Que juíza rapaz? Que eu não tô sabendo...

Ademais, bom texto. Bem escrito, adorei.

lola aronovich disse...

Oi, Lalai! Agora conheci seu blog, muito prazer. Apareça sempre, e comente à vontade. Desculpe eu não retribuir, mas estou numa correria imensa. Tudo de bom!

Thiago Rangel disse...

Lalai, texto bem escrito mais meio equivocado. Primeiramente o toque de recolher em algumas partes do interior foi aceito pela maioria jovens também (de classe média em diante), que eram prejudicados pela violência urbana e já não saiam de casa (lembrando que somos uma democracia, ou seja, a maioria vence).
Nós sabemos que em algumas cidades do interior a violência é mais concentrada do que na capital, então esta, realmente, é uma medida drástica em relação a isso já que eh feita por pura ineficiência da educação e segurança, mas foi acatada, inclusive pelos próprios jovens (que deram várias entrevistas), enquanto não se toma medidas mais preventivas. Não esquecemos que a Utopia de Thomas Morus, a Cidade do Sol, de Campanella, e o Socialismo de Marx não passam de sonhos, e o que acontece com o regime de um páis é uma ocilação de decádas em decádas, entre o regime liberal e totalitário. O que está acontecendo não passa de uma medidade provisória e não vejo por que se alarmar tanto na espectativa de uma ditadura ou coisa do tipo (não estou dizendo que você disse isso, mas esse tipo de pensamento acontece demasiadamente por aí). O regime totálitario ditadorial está totalmente em baixa, devido aos beneficios das classes superiores ao capitalismo. (não estou defendendo nenhum tipo de organização, para mim todas são decadentes).
E para finalizar Lalai, isso é totalmente impossivel de chegar as capitais, incluindo Salvador e muito menos São Paulo. As capitais não controlam nem a fiscalização (auditoria) das empresas privadas, quanto mais o toque de recolher juvenil. Veja o raciocionio, seria necessária uma frota gigantesca para fiscalizar e vasculhar a cidade em busca de jovens, e se isso acontecece eles iriam achar muito mais infratores com essa nova lei (jovens que não respeitam o toque de recolher), assim iriam ocorrer muito mais ocorrências e o estado em vez de se beneficiar iria gastar mais dinheiro ainda.
Espero que tenha ajudado a sua compreensão,

Thiago Rangel.

lalai disse...

olha só... (desculpa o atraso)
mas eu realmente não sei sobre a aceitação e eu tb não acredito que já exista algum tipo de pesquisa estatística séria sobre isso nessas cidades. Bom, qdo se fala de entrevista é tudo muito relativo não é mesmo? Como é sabido a mídia é completamente manipulável. E mesmo que não fosse, tudo bem, eu vi na TV alguns jovens que concordavam, mas tb vi MUITO MAIS que discordavam.
Eu realmente acho meio difícil de se concordar c/ algum tipo de proibição p/ si próprio... Principalmente qdo se trata de jovens, que geralmente têm uma natureza mais, digamos, "rebelde" e inflamada.
Eu acho assim... Qual a lógica dessa proibição? Se havia jovens que já não estavam saindo de casa, que diferença essa lei vai fazer? Se ela não existir eles serão obrigados a sair p/ balada à noite??? O absurdo é proibir quem queira sair! E.. "sim! é muuuuito comum encontrar adolescentes por aí que não gostam de sair c/ os amigos à noite!". Super comum. conheço vários. o.O claro que não, né? Como vc mesmo disse, se todo mundo quer ficar em casa, pra quê precisaria de fiscalização? E mais! Qual o sentido de uma medida provisória dessa? Que avanços serão alcançados dentro de certo período?
Enfim. pra mim, nada faz sentido.

Eu não sei se vc conhce a realidade, é de alguma cidade que tenha adotado, sei lá. Mas mesmo que haja apenas uma pessoa que queira sair à noite (o que eu acho muito esquisito), essa pessoa deve ter esse direito.
Quem quiser sair sai, quem não quiser não sai, ORA BOLAS!

Obrigada pelo comentário, mas siceramente não mudou em nada minha posição.

Romanzeira disse...

Estive pensando também sobre esse lance do toque de recolher. Minha questão é: por que o Estado tem de regular algo que é da alçada dos pais, como a hora e os lugares que os filhos devem frequentar? Quem tem de fazer tal controle são os pais, é a família, através de muita conversar e estabelecimento de regras, mas nunca o Estado. O Estado deve sim é zelar pela segurança geral da sociedade em todos os horários.
O engraçado é que em outras situações envolvendo crianças e adolescentes, mais graves, o Estado simplesmente não consegue cumprir sua função: por exemplo no caso de duas crianças que foram mortas insineradas pelo próprio pai, em SP. As crianças já haviam fugido de casa uma vez por conta dos maus tratos, mas foram encaminhadas novamente à família, porque o ideal segundo a lei, e as teorias psico-pedagógics nas quais elas se apoiam,o melhor para a criança é permanecer com a família. Deu no que deu.

inerthie disse...

eu ia comentar mas fiquei com preguiça de ler o que os outros falaram, sendo assim, vou ficar queto e não correr o risco de ser repetitivo =* só concordo contigo lai.