terça-feira, 29 de dezembro de 2009

desencaixe.

Eu vago neste lugar vago
O vazio que me preenche não me suporta
Eu transbordo tudo, transpasso
Eu, transbordo, estação
encontro de transeuntes,
num passo, que passa
¿qué pasa?
vá! go! Nada permanece
vago, tudo permanece.
E eu tenho tudo
E enquanto não sei porque vago
tudo o que digo é vago
não é concreto, não é claro.
E eu tenho nada
pois nada me pertence
tampouco pertenço a nada
Não sou a parte, estou à parte
pouco me importo
pouco me exporto
pouco há porto
tampouco há porta
tão pouco aporta
neste porto vago
que não me pertence
pouco a pouco
porto a porto
Nada me pertence
e o nada me contém
v a g a n d o.
Mas tudo na vida passa
a vida passa
por mim.
- Senta, fica mais um pouco.
Quero um porto. Sempre quis.
Quero ser parte, não ter que partir.

3 comentários:

Anne Elisabeth disse...

Lindo, Lalai.
:)

inerthie disse...

surpreendente... "Quero ser parte, não ter que partir."

tem horas que da vontade de escrever algo assim ... ahahahaha

Wilson Bittencourt disse...

pouco importa se tudo passa
seu porto é na palavra.
e eu espero e conto que não parta.

lindo, lalai =)))